25 de fevereiro de 2017

Em 2004

"Minha biblioteca, relativamente à sua área, não é muito pobre. Tenho Freud, quase completo. Wilhelm Stekel, cinco volumes e obras esparsas. Gosto muito dele! Tenho Kretschmer, A Histeria. Mira y López... os velhos quatro gigantes e seu tratado. Tenho Jung, Os tipos psicológico, um tal de Chaves da Caracterologia de Gaillat, muito interessante. Ah! Tenho um outro que pouca gente conhece! Lembra do caso Schreber? O juiz alemão sobre o qual Freud escreveu um volume inteiro? O maluco que escreveu um diário? Pois é. O diário dele foi publicado em português. A edição é nova, de 1995! As perícias da época foram incluídas. É muito, mas muito interessante mesmo. Saiu com o nome Memórias de um doente dos nervos. Ed. Paz e Terra, Rio de Janeiro. Na verdade, há muito mais. Mantegazza, o psicólogo, por exemplo, quase tudo. Livros bem velhinhos, mofados, cheios de mofo. Bem como eu gosto. É que leio de tudo. Sou onívora. Não escapa nem bula de remédio!"