24 de agosto de 2016

Pérolas do ENEM

A fé é uma graça através da qual podemos ver o que não vemos. 


Os estuários e os deltas foram os primitivos habitantes da Mesopotâmia. 


O objetivo da Sociedade Anônima é ter muitas fábricas desconhecidas. 


A Previdência Social assegura o direito à enfermidade coletiva. 


O Ateísmo é uma religião anônima. 


A respiração anaeróbica é a respiração sem ar que não deve passar de três minutos. 


O calor é a quantidade de calorias armazenadas numa unidade de tempo. 


Antes de ser criada a Justiça, todo mundo era injusto. 


Caráter sexual secundário são as modificações morfológicas sofridas por um indivíduo após manter relações sexuais.

Fonte: Migalhas  3.933, 24/08/2016.

Entrementes


Pérolas do Barão de Itararé


A esperança é o pão sem manteiga dos desgraçados.
Adolescência é a idade em que o garoto se recusa a acreditar que um dia ficará chato como o pai.
Senso de humor é o sentimento que faz você rir daquilo que o deixaria louco de raiva se acontecesse com você.
Mulher moderna calça as botas e bota as calças.
A televisão é a maior maravilha da ciência a serviço da imbecilidade humana. 
Este mundo é redondo, mas está ficando muito chato.

Fonte: Migalhas, 3.933 de 23;08/2016

17 de agosto de 2016

Perspectiva


16 de agosto de 2016

Sim. Profundo


15 de agosto de 2016

Para o bom entendedor


13 de agosto de 2016

De passagem

Súbito, a vitrine se confundiu com a paisagem, e os manequins desfilaram sem sair do lugar. E súbito, eu eternizei essa impressão. Simples, fugidia, inútil. Por nada.

12 de agosto de 2016

Suspense


Gordices & Porcariantes

Nada melhor...

6 de agosto de 2016

Cor de Maravilha


4 de agosto de 2016

Para onde?


3 de agosto de 2016

Alain de Benoist: Digam o que disserem os liberais, a ideologia é inerente à natureza humana


Entrevista realizada por Nicolas Gauthier[1]

Exceto para você, aparentemente, o termo “ideólogo” é doravante quase um palavrão. Aquele de “doutrinador” também. Esses dois termos são sinônimos?

Na origem, quando o termo foi criado em 1798 por Destutt de Tracy, a ideologia era apenas a disciplina voltada ao estudo das ideias por si mesmas. Muito depressa, a palavra passou a designar um sistema de ideias, de normas e de valores com vistas a propor, sob uma forma coerente, e em oposição ao único conhecimento intuitivo da realidade, certo modo de se representar e compreender o mundo. A ideologia, pois, tem um alcance mais amplo que a doutrina, que procura, de preferência, fornecer um programa de ação. Necessariamente coletiva (não existe ideologia individual). Ela pode, além disso, revestir-se das mais diferentes formas: ideologias políticas, econômicas, sociais, religiosas, etc.
Aqueles que não utilizam a palavra senão que de maneira pejorativa aí encontram um prisma deformador, que engendraria, inevitavelmente, uma “falsa consciência”. Trata-se, na realidade, de um filtro. Para a espécie humana, os fatos brutos são por si mesmos desprovidos de sentido. O homem é um animal hermenêutico, ou seja, ele tem necessidade de interpretar os fatos em função de uma trama que possa lhes dar sentido. É por isso que a ideologia se revela ao mesmo tempo útil e onipresente. Bem entendido, as ideologias podem ser boas ou más, pertinentes ou errôneas, mas de um erro ideológico não se pode deduzir que todas as ideologias sejam nefastas. Qualquer um que não seja ideologicamente estruturado, que não disponha de uma concepção global do mundo, é, ao contrário, ao mesmo tempo vulnerável e impotente.
Esse papel positivo da ideologia aparece muito mais nitidamente ainda ao se tomar a palavra no sentido de sua etnologia. Um antropólogo como Clifford Geertz, por exemplo, mostrou bem que a ideologia é potencialmente fundadora da identidade dos grupos humanos. Longe de ser um fator de desconhecimento, ela desempenha um papel de integração positiva e contribui para a auto definição das sociedades, particularmente nos momentos históricos em que, como hoje, os referenciais anteriores se desagregam. Ela aparece desde então como um dado básico da vida social. Pareto pensava mesmo que ela “faz parte integrante do caráter do homem civilizado”.
É-nos regularmente dito que o último século foi aquele do advento das ideologias, mas também de sua morte. Esse diagnóstico lhe parece fundado?
No momento em que se vê eclodir a ideologia islâmica, parece-me de preferência maluco! Aqueles que, no passado, anunciaram o “fim” ou o “crepúsculo das ideologias” (esse foi o caso de Daniel Bell em 1963, de Gonzalo Fernández de la Mora em 1964) revelaram-se tão maus profetas quanto aqueles que, no dia seguinte ao colapso do sistema soviético, arriscaram-se a predizer o “fim da história” (Francis Fukuyama em 1992). Eles não viram que a ideologia é inerente à natureza humana. Mas são sobretudo os liberais que têm estigmatizado a ideologia, ainda que pretendendo, seguramente, estarem eles próprios isentos dela. Sua trajetória se situa no prolongamento desta filosofia das Luzes que pretendia fazer desaparecer as “superstições”, fundando unicamente sobre a razão uma ordem social anteriormente fundada sobre a tradição. Ela evoca também a tese de Augusto Comte, segundo a qual a humanidade se dirigiria inelutavelmente da era teológica à era científica, ou às visões de um Saint-Simon, desejoso de “substituir o governo dos homens pela administração das coisas”. O positivismo cientista não está longe. Trata-se de esquecer, não apenas que há uma ideologia liberal, mas também uma ideologia da ciência...
É nesse espírito que, junto a muitos outros, Jean-Louis Beffa, chefe de Saint-Gobain, opunha recentemente o “partido dos realistas” ao “amplo e compósito clã dos ideólogos”. As ideologias seriam apenas paixões emocionais sem valor científico, do imaginário sem relação com a realidade, da ilusão e do sectarismo. Denunciar as ideias adversas como ideologias permite, pois, desacreditá-las. Esse refrão é comumente retomado pelos tecnocratas e pelos experts, para quem os problemas políticos são, em última análise, problemas técnicos para os quais existe apenas uma única solução “racional”. O fantasma da organização científica (ou racional) da humanidade é apenas uma maneira entre outras de negar a essência do político. Opor as ideologias às “ciências positivas” não é mais inteligente.
A luta ideológica faz hoje parte da “Guerra cultural”?
Karl Marx não errou ao dizer que a ideologia dominante é sempre a ideologia da classe dominante. Enquanto ela for dominante, impregna os espíritos sem que estes se deem conta disso (vê-se mal a ideologia quando se nos identificamos com ela), tornando-os sempre mais conformes, sempre mais dispostos a admitir exigências apresentadas como tão “evidentes” quanto “insuperáveis”, o que reforça sua legitimidade. No século XIX, ela fazia assim aparecer o proveito como a remuneração natural do capital, enquanto ele é, antes, o produto do trabalho. A ideologia dominante é hoje a ideologia do mercado, fundada sobre a ideologia econômica, sobre a ideologia dos direitos do homem e sobre a ideologia do progresso. A classe dominante é a Nova classe mundializada.
Mas toda sociedade é um “campo ideológico”, como escrevia Louis Althuser, para o qual os aparelhos produtores da ideologia dominante colidem com outras ideologias que os contestam. É a relação de força entre essas diferentes ideologias que define o espírito do tempo e deixa prever suas transformações. “Não existe nada no mundo tão poderoso quanto uma ideia da qual é chegada a hora”, dizia Victor Hugo.

2 de agosto de 2016

E eu me lembro bem

...de quando me encantei com esta caixinha, num grande bazar tipo 1,99, nos tempos de Vila Mariana. Então me deste de presente. 

27 de julho de 2016

Viu?


Perdas & Danos

"Os ganhos ou os danos dependem da perspectiva e possibilidades de quem vai tecendo a sua história. O mundo em si não tem sentido sem o nosso olhar que lhe atribui identidade, sem o nosso pensamento que lhe confere alguma ordem.
Viver, como talvez morrer, é recriar-se: a vida não está aí apenas para ser suportada nem vivida, mas elaborada. Eventualmente reprogramada. Conscientemente executada. Muitas vezes, ousada".


Lya Luft

24 de julho de 2016

Nada

Apenas isso.

6 de maio de 2016

Flagrante


25 de abril de 2016

Cuidado

O desgaste é por vezes necessário e inevitável, mas absolutamente nada justifica o desperdício existencial.

20 de abril de 2016

Tous les hommes sont

"Tous les hommes sont menteurs, inconstants, faux, bavards, hypocrites, orgueilleux et lâches, méprisables et sensuels ; toutes les femmes sont perfides, artificieuses, vaniteuses, curieuses et dépravées ; le monde n'est qu'un égout sans fond où les phoques les plus informes rampent et se tordent sur des montagnes de fange ; mais s'il y a au monde une chose sainte et sublime, c'est l'union de deux de ces êtres si imparfaits et siaffreux."

Alfred de Musset

Shopping Praia de Belas

Fala sério. Ninguém merece...