3 de março de 2017

Como assim?


27 de fevereiro de 2017

Coisas de Antigamente



25 de fevereiro de 2017

Dos meus ácaros...

Para quem quiser ler e até baixar, O MANUAL DO FISIONOMISTA está no meu Scribd.

Em 2004

"Minha biblioteca, relativamente à sua área, não é muito pobre. Tenho Freud, quase completo. Wilhelm Stekel, cinco volumes e obras esparsas. Gosto muito dele! Tenho Kretschmer, A Histeria. Mira y López... os velhos quatro gigantes e seu tratado. Tenho Jung, Os tipos psicológico, um tal de Chaves da Caracterologia de Gaillat, muito interessante. Ah! Tenho um outro que pouca gente conhece! Lembra do caso Schreber? O juiz alemão sobre o qual Freud escreveu um volume inteiro? O maluco que escreveu um diário? Pois é. O diário dele foi publicado em português. A edição é nova, de 1995! As perícias da época foram incluídas. É muito, mas muito interessante mesmo. Saiu com o nome Memórias de um doente dos nervos. Ed. Paz e Terra, Rio de Janeiro. Na verdade, há muito mais. Mantegazza, o psicólogo, por exemplo, quase tudo. Livros bem velhinhos, mofados, cheios de mofo. Bem como eu gosto. É que leio de tudo. Sou onívora. Não escapa nem bula de remédio!"


Reencontro

O acaso. O inexorável. 
O inesperado encontro com Rute, a quem eu não via desde idos de 2000, e com a tela que pintei há quase 20 anos, um estudo de frutas & panos.

16 de janeiro de 2017

É que

Simplesmente às vezes não se tem mesmo nada a dizer

11 de dezembro de 2016

Demoram para se arrumar

... mas quando aparecem...

22 de novembro de 2016

Brigou com a rosa


18 de novembro de 2016

Então


12 de novembro de 2016

Quem diria


10 de novembro de 2016

Profe.Ana Cláudia Lucas: Notas sobre 'O Homem Delinquente', de Cesar Lombro...

Profe.Ana Cláudia Lucas: Notas sobre 'O Homem Delinquente', de Cesar Lombro...: Existem pessoas que nascem predestinadas ao crime? E esses indivíduos, trariam eles estigmas denunciadores dessa condição, de forma a nos ...

9 de novembro de 2016

Paralelo 30. Naturalmente


6 de novembro de 2016

Descobrindo orquídeas descansando em árvores


2 de novembro de 2016

Bem pensado

"Quisiera abolir las pompas fúnebres. Hay que llorar a los hombres cuando nacen y no ya cuando mueren." 

Montesquieu (1689-1755)


Fonte: Migalhas Latinoamérica, Noviembre 1, 2016 - nº 1006

22 de outubro de 2016

O que houve, hein?


20 de outubro de 2016

Abriram-se!


Tempos de cor


19 de outubro de 2016

Referência

Acho que não funciona. Ao menos comigo essa coisa de querer, de poder, de empenho, etc., comigo nada disso vale a menor canseira. 
Não faço nada que preste na base da pressão. O que não é divertido, agradável, prazenteiro de fazer não merece ser feito. Não falo que não me doam as costas, nem que não me ardam os olhos, nem que eu não me canse de ficar horas e horas pesquisando, melhorando um trecho, buscando a melhor palavra numa tradução. Claro que canso! Mas estes são desgastes que equivalem a investimentos que a vida sempre remunera com generosidade, não se sabe quando nem como, mas, seguramente, assim faz. 
Gosto de fazer isso, por isso. Não é um meio de chegar no tal "lá", seja onde for que fica "lá", aonde, aliás, tantos recordistas já chegaram. 
Gosto do que faço aqui, agora, em mim, para mim.

Apenas isso

"A chuva cai não porque está precisando de mim, e eu olho a chuva não porque preciso dela. Mas nós estamos tão juntas como a água da chuva está ligada à chuva. E eu não estou agradecendo nada. Não tivesse eu, logo depois de nascer, tomado involuntária e forçosamente o caminho que tomei - e teria sido sempre o que realmente estou sendo: uma camponesa que está num campo onde chove." 

Clarisse

18 de outubro de 2016

Cachorro é tudo de bom!