24 de maio de 2017

A propósito da curiosidade

“A curiosidade é um vício que foi sendo, sucessivamente, estigmatizado pelo cristianismo, pela filosofia e mesmo por certa concepção da ciência. Curiosidade, futilidade. Contudo, a palavra me agrada, ela me sugere uma outra coisa: ela evoca a ‘inquietação’, o cuidado que temos com o que existe e poderia existir, um sentido agudo do real, mas que jamais se imobiliza diante dele, uma perspicácia por achar estranho e singular o que nos rodeia, certa obstinação por abrir mão do que é familiar e por olhar as mesmas coisas de outra maneira, um ardor por apreender o que se passa e o que passa, uma desenvoltura em relação às hierarquias tradicionais entre o importante e o essencial.”

Michel Foucault
Fonte: BN

14 de maio de 2017

Amo tanto! Um monte assim, ó!


27 de abril de 2017

In natura


24 de abril de 2017

Carbone

Segundo Lombroso, um bandido italiano

23 de abril de 2017

Acaso


16 de abril de 2017

Hakim Bey

"L’émergence du capitalisme produit un étrange effet sur l’amour romanesque. Je ne puis mieux l’exprimer qu’avec une image absurde: c’est comme si l’Etre Aimé était devenu le produit parfait, toujours désiré, toujours payé mais jamais vraiment consommé. L’auto-négation de l’amour romanesque s’harmonise parfaitement avec l’auto-négation du capitalisme. Loin de se contenter de moralité ou de chasteté, le capital exige la pénurie, pénurie de la production et du plaisir érotique,. La religion, en interdisant la sexualité, a conféré une aura de prestige à l’abstinence. Le capitalisme occulte la sexualité et l’infuse de désespoir."
L' Amour-obsession . Hakim Bey

http://www.anarchisme-ontologique.net/

11 de abril de 2017

Céu de Lua


3 de março de 2017

Como assim?


27 de fevereiro de 2017

Coisas de Antigamente



25 de fevereiro de 2017

Dos meus ácaros...

Para quem quiser ler e até baixar, O MANUAL DO FISIONOMISTA está no meu Scribd.

Em 2004

"Minha biblioteca, relativamente à sua área, não é muito pobre. Tenho Freud, quase completo. Wilhelm Stekel, cinco volumes e obras esparsas. Gosto muito dele! Tenho Kretschmer, A Histeria. Mira y López... os velhos quatro gigantes e seu tratado. Tenho Jung, Os tipos psicológico, um tal de Chaves da Caracterologia de Gaillat, muito interessante. Ah! Tenho um outro que pouca gente conhece! Lembra do caso Schreber? O juiz alemão sobre o qual Freud escreveu um volume inteiro? O maluco que escreveu um diário? Pois é. O diário dele foi publicado em português. A edição é nova, de 1995! As perícias da época foram incluídas. É muito, mas muito interessante mesmo. Saiu com o nome Memórias de um doente dos nervos. Ed. Paz e Terra, Rio de Janeiro. Na verdade, há muito mais. Mantegazza, o psicólogo, por exemplo, quase tudo. Livros bem velhinhos, mofados, cheios de mofo. Bem como eu gosto. É que leio de tudo. Sou onívora. Não escapa nem bula de remédio!"


Reencontro

O acaso. O inexorável. 
O inesperado encontro com Rute, a quem eu não via desde idos de 2000, e com a tela que pintei há quase 20 anos, um estudo de frutas & panos.

16 de janeiro de 2017

É que

Simplesmente às vezes não se tem mesmo nada a dizer

11 de dezembro de 2016

Demoram para se arrumar

... mas quando aparecem...

22 de novembro de 2016

Brigou com a rosa


18 de novembro de 2016

Então


12 de novembro de 2016

Quem diria


10 de novembro de 2016

Profe.Ana Cláudia Lucas: Notas sobre 'O Homem Delinquente', de Cesar Lombro...

Profe.Ana Cláudia Lucas: Notas sobre 'O Homem Delinquente', de Cesar Lombro...: Existem pessoas que nascem predestinadas ao crime? E esses indivíduos, trariam eles estigmas denunciadores dessa condição, de forma a nos ...

9 de novembro de 2016

Paralelo 30. Naturalmente


6 de novembro de 2016

Descobrindo orquídeas descansando em árvores